A ESCOLA

A FLAMENCO CAROL FERRARI abre suas portas em 2013 dedicando-se exclusivamente ao flamenco, com o intuito de fomentar esta arte em Florianópolis.
A escola oferece aulas regulares de dança flamenca, castanhola e cajón e promove workshops, saraus, grupo de estudos, apresentações e tudo o que possa aproximar o aluno da cultura flamenca como um todo. 

Os alunos têm também a oportunidade de vivenciar a emoção de estar no palco participando de pequenas apresentações durante o ano e de um grande espetáculo de encerramento das atividades intitulado Caminos, que este ano estará em sua 11ª edição.

Venha viver o flamenco em um ambiente apropriado e aconchegante, com a orientação de profissionais qualificados.

PROFESSORES

Carol Ferrari

  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Instagram

É proprietária da escola Flamenco Carol Ferrari e integrante da Cia Sureña de Arte Flamenca. Atua profissionalmente na cena flamenca desde 2006, apesar de ter iniciado seus estudos ainda em 1996, em Curitiba. É idealizadora e produtora da Semana Flamenca de Floripa que, desde 2011, fomenta o intercâmbio de artistas flamencos de todo o Brasil.

Venceu o Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura, através do qual pode se especializar na Espanha, no Instituto Flamenco La Truco e no Centro de Arte Flamenco y Danza Española Amor de Dios em 2016. No mesmo ano apresentou-se no Tablao Flamenco Café Ziryab, em Madri, no projeto Brasil Flamenco, convidada pela maestra Yara Castro.
Em 2018 retorna à Espanha para mais um curso de formação na mais renomada escola de flamenco do mundo: Centro de Arte Flamenco y Danza Española Amor de Dios Amor de Dios e ganha bolsa integral para voltar no próximo ano por ser a aluna destaque do programa Amalgama Flamenca. 

Foto: Mariana Rotilli.

Carol Carvalho

  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Instagram

Seu primeiro contato com a dança foi em 1997, através da dança de rua, na cidade de Tubarão. No ano de 2008, começou seus estudos na dança flamenca com a professora Marilyn Mafra, em Florianópolis. Sob direção de Marilyn, participou como bailarina nos espetáculos 

Rompecabezas (2009), Desejo Andaluz (2010) e Siete (2011). Durante este período fez cursos com diversos profissionais, como Domingo Ortega (ES), Inmaculada Ortega (ES), Rosa Jimenez (ES), Talita Sanchez (BR) e Miriam Galeano (PA). Em 2012, mudou-se para Buenos Aires, onde teve aulas regulares com Rocio Aristimuño (AR), Laura Manzella (AR) e Adrian Galia (ES). Participou como bailarina na mostra de alunos de Laura Manzella, na Trastienda e no Tablao Perro Andaluz sob a direção de Rocio Aristimuño e o guitarrista Nicolàs del Cid (AR). Em 2015, de volta a Florianópolis, inicia seus estudos com a professora Lela Martorano e, em 2016, sob a direção da mesma professora, participa como bailarina no espetáculo Solear. Em 2017, faz 

seu primeiro trabalho de produção, "Tablao de la Isla”, junto a artistas independentes do flamenco de Florianópolis. Neste mesmo ano começa a dar aulas de flamenco.


Foto: Cristiano Prim

Rodrigo Campos

  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Instagram

Percussionista, educador musical e pesquisador, teve seu primeiro contato com o Cajón no ano de 1999 e, desde então, vem realizando um aprofundado estudo do instrumento e a sua relação e aplicação nas mais diversas culturas do mundo.

Iniciou seus estudos na arte flamenca em 2011 a partir da sua participação no IV Festival Internacional de Cajón Peruano em Lima – Perú. Em 2014 entrou para a escola Flamenco Carol Ferrari como professor de Cajón e músico, trabalhando desde então com artistas como Carol Ferrari, Chari Gonzalez, Marilia Cartell, Ozir Padilla, Jony Gonçalves, Fernando De La Rua, Yara Castro, Fernando de Marilia, Lela Martorano, Marilyn Mafra, Pedro Fernandez, Tati Barcelos, Cris Macedo, Miguel Alonso, Ana Paula Minari, Rosa Jimenes, Allan Harbas, Márcio Bonefón, entre outros.

Em 2018, passou um período na Espanha, em que estudou com professores de relevante importância na percussão flamenca, tais como José Montaña, Ramón Porrina, Manu Masaedo e Israel suarez “El Piraña”.

Foto: Marcela Meyer

Rua Trajano Margarida, 257